Desenvolvido por focall.com.br
 

Belezas de Campos - Prédios Históricos

Roteiro

Estar em Campos dos Goytacazes e não visitar suas belezas históricas  acarretaria uma perda irreparável a qualquer roteiro de férias ou de final de semana.  São inúmeros prédios históricos, muitos deles tombados pelo Patrimônio Histórico Municipal, Estadual, ou Federal.

Para facilitar os visitantes, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Petróleo, órgão da Prefeitura  Municipal responsável pelo Turismo desenvolveu uma série de roteiros autoguiados, que servem como um parâmetro para as surpresas que Campos dos Goytacazes reserva aos seus visitantes mais interessados em conhecer parte da história do nosso país.

A primeira sugestão, se relaciona com os antigos casarões ligados aos Barões que viveram na região. 

Solar do Visconde de Araruama - Museu Histórico de Campos - O prédio foi mandado construir em fins do século XVIII pelo Brigadeiro José Caetano Marcelus Coutinho,morgado de Capivari e tio de José Carneiro da Silva, 1ºBarão de Araruama, que herdou esta propriedade. O prédio foi adquirido pelo poder público, depois do falecimento do Barão em 1864, e abrigou a Câmara e a Prefeitura Municipal. Em 1903 o então presidente da Câmara contratou o Engenheiro-arquiteto Miguel Clament , para adaptar o edifício vizinho para nele instalar a Biblioteca Municipal. Este prédio originalmente construído para ser sede do Quartel do Corpo de Bombeiros, sem ter tido este uso foi anexado ao edifício da Câmara e nele inaugurada a Biblioteca. Hoje o prédio abriga o Museu de Campos. FONTE: INEPAC

No centro histórico, na rua Barão do Amazonas, avista-se o Solar Barão de Pirapetinga, solar urbano construído entre os anos de 1861 e 1865 para servir de residência a João Caldas Vianna Filho, Barão e Visconde de Pirapetinga. Em 1919, o prédio foi alugado aos pais do educador Thiers Martins Moreira para a instalação do Hotel Amazonas.

Ainda pelo centro da cidade, bem na avenida Alberto Torres, surge a imponente obra arquitetônica do Fórum Nilo Peçanha, construída em 1935, e que exerceu grande impacto por seu estilo monumental inspirado no Parthenon de Atenas e em templos greco-romanos de ordem coríntia. A construção, que abrigou o Fórum da cidade, exibe em seu frontão principal uma alegoria à Lei e à Justiça e foi tombado pelo Patrimônio Histórico em 1988 é considerada um dos principais marcos arquitetônicos da cidade, hoje o monumento abriga a Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes.

Conhecido como Villa Maria e localizado na Rua Baronesa da Lagoa Dourada, centro da cidade, o casarão em arquitetura vilino italiana construído pela usineira Maria Queiroz de Oliveira, a Dona Finazinha, surge com sua beleza e peculiaridades. O imóvel, que foi deixado em testamento para servir de sede a uma futura universidade, tombado pelo INEPAC ( Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural) e foi transformada em casa de cultura, vinculada à Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF). 

Mais uma beleza arquitetônia em destaque no centro de Campos dos Goytacazes é o Solar do Barão da Lagoa Dourada, na praça Barão do Rio Branco. Construído em 1860 por José Martins Pinheiro, o Barão da Lagoa Dourada, foi doado à Camara Municipal em 1883 e posteriormente ao Governo do Estado, que instalou no prédio o Liceu de Humanidades de Campos. Considerado um dos mais importantes conjuntos patrimoniais da região, possui um salão nobre que lembra os salões de Versailles, na França.

O Solar do Barão de Carapebus, localizado na Av. Osvaldo Cardoso de Melo, construído no início do século XIX por Joaquim Pinto Neto, primeiro Barão de Carapebus e que mais tarde tornou-se propriedade do Asilo do Carmo. Em seu pátio, foi realizado um baile em honra ao Imperador D. Pedro II por ocasião de sua primeira visita a Campos em 04 de novembro de 1846. Visitação somente externa, o prédio entrará em restauração.

Em direção a Itaperuna, pela BR 356, chega-se ao Solar da Baronesa, sobrado com 24 cômodos em estilo neoclassico construído na primeira metade do século XIX por Manuel Pinto Neto da Cruz, o Barão de Muriaé, e chegou a hospedar por várias vezes o Imperador D. Pedro II.

Um pouco mais afastado do Centro, no distrito  de Goitacazes, na estrada Sergio Viana em Tocos, está a Casa e Capela do Engenho do Colégio, prédio em estilo barroco jesuítico construído na segunda metade do século XVII, o imóvel pertenceu ao Colégio Jesuíta. Tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em 1946, atualmente é sede do Arquivo Público Municipal de Campos dos Goytacazes.

Para terminar bem o dia e aproveitar o principal atrativo natural de Campos, recomenda-se uma esticada até a Praia do Farol de São Tomé com a finalidade de ver o por do sol e também na busca de um lugar aconchegante para um pernoite ou um jantar.